System Shock 2 – Irrational Games

Escassez de posts por minha parte, sim, mas a culpa não é totalmente minha, não joguei nada surpreendente na cena indie nos últimos dias, o que não quer dizer que não joguei jogos indies bons, veja por exemplo: Rom Check Fail Joguinho excepcional, um dos mais criativos que eu joguei nos últimos tempos, ou até, Phun, Physics game muito bom, meio garry’s mod meio cybercops. Mas enfim, nenhum desses foi nada que me fizesse vir aqui e postar algo, não daria um bom post e eu não to muito afim de fazer posts rapidinhos. Mas de qualquer forma, vocês dois aí que leêm esse blog deveriam saber deles, os jogos são bons.
Meu plano era postar apenas jogos indies nesse blog, mas vou expandir isso e postar alguns jogos subestimados ou desconhecidos por aí.

System Shock 2: Bricks will be shat.

System Shock 2

System Shock 2 é um jogo que foi produzido pela Irrational Games, empresa bem tímida (para aquela época, hoje em dia é uma empresa bastante cultuada, que inclusive mudou de nome, agora é conhecida como: 2K Australia e 2K Boston depois que foi comprada pela Take-Two Interactive) que em seu PRIMEIRO jogo, criou um clássico do PC, falo sério, pode procurar qualquer lista de Best Games Ever, System Shock 2 vai estar entre os 20 melhores, quiçá entre os 10 melhores.
A história é mais ou menos essa: Ken Levine e uns outros caras sairam da Looking-Glass Studios pra criar sua própria empresa, a supra-citada Irrational Games. Os caras criaram o conceito do jogo e começaram a procurar distribuidoras, acharam a Electronic Arts (empresa que hoje é discriminada por chupar as tetas de algumas muitas franquias), que já tinha anteriormente lançado System Shock, um jogo que contava a história de um hacker que procura destruir uma Inteligência Artifical conhecida como SHODAN, assim, em maiúsculas mesmo, que ficou louca e quis destruir a humanidade ou tomar controle do planeta, uma parada assim.

Shodan

Ele consegue, fim.
Se aproveitando do jogo previamente lançado, a EA diz que esse conceito se encaixaria no mundo de System Shock, e decide lançar o jogo da Irrational Games como System Shock 2, apesar de que praticamente todos que estavam trabalhando em SS2 não tinham trabalhado em SS, sequer tinham feito um jogo. System Shock 2 foi lançado em 1999.

Novamente, pode conter spoilers, ou não.
Let’s cut the crap, O Jogo:

42 anos após Shodan ter tentado [insert-clichè-here] o mundo, mais especificamente, em 2114, a nave Von Braun será a primeira forma de transporte à viajar mais rápida que a velocidade da luz (Wikipedia diz: Exatamente 299.792.458 metros por segundo no vácuo. a.k.a.: Caralho.).
Bem, a Von Braun se junta à UNN (Unified National Nominate, um tipo de exército do planeta.), que irá com a espaçonave Rickenbacker escortar a viagem da Von Braun.

Você assume o papel de um personagem sem nome, que, na terra, se junta a UNN e passa por um período de treinamento. Durante este período você pode escolher entre três “Facções”:

Marines: Especialistas em armas de fogo e energia. Armas que, virtualmente, não têm falta de munição, já que para recarregâ-las basta achar um posto de energia. Usam das suas skills em Maintenance para consertar as armas, e fazer com que elas durem mais alguns dois tiros. Puta que pariu.
Eles também tem a maior força, sendo que podem destroçar um Híbrido (chegaremos lá) em alguns poucas chave-inglesadas. Não vou falar muito dos marines porque eles são os básicos de qualquer FPS.

Navy: Sabe os boiolas da marinha? Então, foram substituídos por um bando de Geeks que sabem pouco ou quase-nada sobre armas de fogo. Esses são os caras que ao invés de atirar em câmeras de segurança, desativam elas por meio de um painel, ao invés de procurar uma chave, hackeiam a porta e fazem ela dizer “Obrigado por deixar que eu o sirva nesse dia tão maravilhoso.” (+10 pontos de nerdeza pra quem entendeu.) Os caras precisam de “Nanites”, que é a Moeda da nave (Meus sinônimos pra nave acabaram uns dois parágrafos atrás), que se usa tanto pra comprar qualquer coisa em máquinas, desde munição até garrafas de whisky, e que também se usa pra hackear coisas, sem nanites, no hacking for you.

OSA: O Jogo não dá o signficado da Sigla, mas eu acho que seja algo próximo de: Oh Shit, this kicks Ass. É em OSA que SS2 mostra seu maior diferencial dos FPSs de esquina, poderes psíquicos. Têm para todos os gostos, aumentar a velocidade, força, Hacking, entre outros por alguns minutos, assim como os “buffs” em MMORPGs, conseguir ítens que antes você não conseguiria, com algumas habilidades como “Kinetic Redirection” que trás ítens fora de alcance para você, poderes de ataques, e MUITOS outros. No total, são 35 poderes, e bem legais por sinal. Fazer um robô atacar todas as criaturas não-humanas por um período de tempo ou se teleportar pra onde você quiser? w00t.

Ok, após escolher a empresa/facção que você vai participar, você passa por um período de treinamento de três anos. Nada demais, cada ano você pode escolher uma de três salas para formar a Build inicial do seu personagem, ou seja, quantos pontos ele terá de,
Strenght, força do personagem, tamanho do inventório, o dano que ele vai infligir em um combate melee, etc, Endurance, HP Máximo, e a resistência do personagem à toxinas e radiação, Psionics, o dano que habilidades psíquicas irão causar, a duração, entre outros, Agility, Velocidade do personagem, o quanto do coice da arma que ele irá receber, e o dano de queda e finalmente, Cyber, que seria a facilidade que o personagem terá quando for tentar hackear algo, consertar ou modificar.

Depois desse treinamento é aonde o jogo realmente começa.

Cinco meses após o começo da viagem, o personagem acorda na Ala médica da Von Braun, sem memória por culpa de um mal-funcionamento dos computadores. A única pessoa com quem ele pode falar é uma mulher que manda e-mails ou algo parecido pra ele, indicando qual seria o próximo objetivo dele e dá uma leve explicada no que está acontecendo.
Aparantemente, XERXES, o computador da nave, ficou MALOCOWLZ e está fodendo completamente com a nave. Robôs e Turrets estão descontrolados atacando qualquer humano que se aproxime, e várias partes da espaçonave estão trancadas por culpa de XERXES, mas ele não vê problema nenhum com humanos mutantes e macacos super-inteligentes.
Logo no ínicio, o personagem principal (só pra esclarecer: Ele não tem um nome, bgs) se vê com uma chave inglesa e atacando alguns híbridos, que praticamente tomaram conta da nave.

Esse é o Híbrido.

Macaco Ratazana da Somália

E o jogo não é tão bonito quanto aparenta aqui, o cara tá usando um Mod que embeleza o jogo.

Porra, isso tá ficando muito longo, vou tentar não me extender muito mais.

A Narrativa de SS2 é muito do caralho, porque ninguém te conta o que está acontecendo, você apenas vê o que acontece e a partir dali você tira suas próprias conclusões, as únicas dicas que você tem sobre o que está acontecendo é os Logs espalhados pela Nave, e muitas vezes você não conseguirá entendê-los muito bem a não ser que você tenha vários deles, para aí sim, você conseguir entender levemente o que está acontecendo. E eu acho isso ótimo, porque deixa o jogo aberto a interpretações, talvez porque você tenha informação incompleta, talvez não. Por exemplo, no ínicio do jogo é difícil saber se o Diego causou tudo aquilo ou apenas deixou-se levar pelo The Many. Quem jogou ou jogará irá entender.

Além disso, existem diversas possibilidades para o seu gameplay já que você pode escolher diferentes instituições, e isso adiciona um fator replay altíssimo no jogo, já que se você quiser, você pode jogar de maneiras difentes cada vez que você for jogar, algo meio Fable, mas BEM melhor executado.

Agora, o feeling do jogo é fortíssimo. Imagine-se em um lugar bastante claustrófobico, você não vê nenhum humano, e todos os seres que você vê estão prontos pra te matar. E puta que pariu, o Híbrido, quando está te atacando, ele PEDE para que você mate ele, ou então pede desculpas por estar te atacando, e isso é extremamente foda e ao mesmo tempo te deixa com um pé atrás sempre que você for jogar porque não é como Doom ou Half-Life, que os monstros nasceram com o único objetivo de te matar, os Híbridos não tem controle sobre suas ações, porque eles são Humanos infectados por alienígenas, eles agem por instinto, mas sabem de tudo que estão a par de tudo que está acontecendo, e isso é muito assustador.

Muitos podem até dizer que os gráficos do jogo não assustariam ninguém, mas o jogo não se trata de medo visual, e um medo psicológico, isso quer dizer que, você pode ter trinta shotguns em perfeito estado, mas ainda assim, você vai abrir essa porta com cuidado, pra caso tenha um Híbrido lá dentro.  Sabe quando você jogou Silent Hill e quase se cagou de tanto medo? Então, Silent Hill apesar de ser um jogo extremamente antigo ainda conseguia arrancar sustos de várias pessoas, ou pelo menos, eu, e System Shock usa da mesma fórmula de Survival Horrors.

Pra finalizar, System Shock 2 é um jogo maravilhoso, um clássico do PC apesar de ter vendido bem pouco. Aconselho qualquer um que busque uma experiência diferente com FPSs a baixar System Shock, o jogo é foda.

System Shock 2 tem um sucessor espiritual, Bioshock, jogo que foi lançado em 2007 mas é bem desconhecido, alguém aqui já ouviu falar?
E o SS2 não é parecido com Deus Ex, Deus Ex que é parecido com SS2, fuckers.

System Shock 2

~ por Heimmrich em sábado, 10 maio, 2008.

Uma resposta to “System Shock 2 – Irrational Games”

  1. ei gostaria de saber como passo da segunda fase? onde temos codogos pra abrir ha porta? me ahudem por favor

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

 
%d blogueiros gostam disto: