S.T.A.L.K.E.R. – Shadow of Chernobyl

Menu Inicial. Uma das poucas partes tranquilas. rs

por Amortax

S.T.A.L.K.E.R. (Scavenger, Trespasser, Adventurer, Loner, Killer, Explorer, Robber) – Shadow of Chernobyl é um jogo incrível, embora graficamente leve, e que certamente agrada a gregos e troianos. Difícil é definir seu gênero, que mistura FPS com Survival Horror, além de conter elementos de RPG. Enfim, S.T.A.L.K.E.R simplesmente é. E não poderia ser por menos. O jogo se passa em Chernobyl, após um segundo desastre nuclear, em meados de 2006. O mapa do mesmo é baseado fortemente na área chamada como “Zona de Alienação“. Seu personagem é chamado “The Marked One”, um stalker (“escavadores” ilegais de artefatos, objetos tratados com afinco mais adiante) com amnésia que foi encontrado desmaiado por um negociador do mercado negro. O nome se dá por causa da tatuagem no braço de seu personagem, que diz: S.T.A.L.K.E.R.. No seu PDA (sim, todos tem um PDA que funciona, e com internet wi-fi incrível, não me perguntem como), uma missão: Achar e matar um stalker chamado Strelok. Intrigante no mínimo. E é aí que você começa, fazendo uma ou duas missões básicas, e depois está sozinho, sem apoio nem nada. Somente se conseguir amigos, claro. S.T.A.L.K.E.R., porém, é um jogo bem aberto, praticamente um sandbox (onde você faz o que quiser na ordem que quiser), algo que convida mais ainda a várias horas perdidas (ou não) neste mundo. Pois vamos lá então, nos aventurar no desafio imprevisível que é S.T.A.L.K.E.R. – Shadow of Chernobyl.

Wild Territory, local perigoso cheio de mutantes fr0m réuComecemos pelos gráficos do jogo. Os mesmos podem ser elevados (principalmente com MODs), ou baixos, o jogo foi feito para rodar em diversos tipos de computadores, uma jogada de gênio em minha opinião. Até a lente da mira telescópica é suja, devido a atenção aos detalhes gráficos. O jogo, por incrível que pareça, é bem leve. Algo que me marcou muito nele, porém, foi o design dos níveis. O detalhe com que cada passagem e escadaria parece ter sido feito, digo. Prédios e casas abandonadas, clareiras com resquícios de cigarros e comida, cenários depressivos com sua ocasional chuva/tempestade e ventanias, tudo contribui para uma imersão incrível. As texturas dos personagens e inimigos também foi feita de modo criativo, no mínimo, e também possuem detalhes interessantes, como cantis, olhos disformes, borrões em visores e cintos de granadas feitos com uma boa dedicação. Embora os gráficos não sejam “top de linha”, são bem pensados, e criativos até. O design das armas também é algo deveras interessante, embora não existam muitas. Com alguns add-ons para armas, como miras telescópicas e lançadores de granadas (diversão pra família rs), vale a pena testar todas as armas do jogo pelo menos uma vez. De pistolas (inclusive silenciosas) a lança-mísseis e rifles de franco-atirador, o repertório agrada.

Acima, um Snork. Abaixo, um bandido comum.Sobre a jogabilidade: Excelente. Gostaria de me extender, mas é basicamente isso. Com armas que travam, miras que não voltam pro lugar depois de longas sequências de tiroteios frenéticos, você se sente num jogo “real”. Principalmente quando a fome bate. Mas não a fome aí, e sim a fome no jogo, já que “The Marked One” vira e mexe fica com a barriga roncando. E se não alimentado, pode até morrer, veja só. Além claro dos fatores radiação, sangramento e possíveis queimaduras. Já os “artefatos” citados no começo deste singelo post se encontram no canto inferior esquerdo desta foto, onde vemos 5 artefatos. Com eles, observem que beleza, ganho 1000% de Health (sim, leram certo) e meu sangramento diminui em -861%, ou seja, eu recupero HP quando sou ferido. Ah, as maravilhas da radioatividade moderna. Claro, eles apresentam redutores em queimaduras químicas (vide: ácido loko rs) e normais, e mais coias que não me recordo, mas vale a pena. Existem outros artefatos que, se combinados de modo próprio, tornam você um ser a ser temido, e com razão. Outro fator interessante da jogabilidade é, como também mencionado antes, a não-linearidade. Eu posso “matar” inimigos do modo que quiser, o que proporciona diversão com granadas, tiros bem alojados e até mesmo facadas na nuca, gerando morte instantânea.

Uma típica conversa com o Barkeeper, provedor de várias quests importantes.Os elementos de RPG encontram-se presentes nas quests durante o jogo. Digo isto porque você pode encontrá-as aleatoriamente, ou ir atrás das mesmas, como no Barkeeper aí. Quests são muito úteis para a obtenção de itens e dinheiro, além de melhorarem seu ranking. Sim, existe um ranking que marca os 20 melhores stalkers atuais da “Zona”, por ordem. Quests também podem aparecer ao se entrar em um nível. Por exemplo, proteger uma área específica de ataques, ou destruir um “criadouro” de cães selvagens. Com as quests, vem itens muito úteis, que podem ser trocados com qualquer personagem disposto a falar. Contanto que ele tenha rublos (moeda obviamente usada no jogo), tudo certo. Aliás, um item muito útil mas descartado em muito pelos jogadores são as bandagens (Bandage), que cura um pouco de sua Health, pára sangramentos e é encontrado aos montes. Excelente item, eu recomendo. E realmente, de RPG só tem isso, creio. Além, claro, de ranks e grupos, mas você é um “Loner” por natureza e permanecerá assim. O problema mesmo é a pequena guerra de facções que rola no jogo, no começo você é neutro, depois pode assumir um lado (menos o dos bandidos ou militares). Quanto ao Survival Horror… Não peguei nenhuma SS de momentos assim por falta de vontade, mas espere sim um jogo com momentos de tensão total. Em exemplo, barulhos que surgem do nada em momentos de total escuridão, rugidos que te levam a lugar nenhum e em casos especiais, caixas que levitam e te atacam do nada. Além do seu ocasional mutante escondido nas sombras e, como sempre, poltergeists que aparecem do nada para te puxar prum abraço maroto e depois te empurrar até a China com a mente. Excelente exemplo de terror psicológico, em minha opinião. Pelo menos para um híbrido de FPS, RPG e Survival Horror.

Traindo a facção pra tirar SS. Que momento lindo, mey. :~~Quase me esqueço! Os artefatos lindos que você pode usar não vem de graça não, caro leitor! São encontrados perto de anomalias causadas pelo acidente nuclear de Chernobyl, e seu “nível” é aleatório. Por exemplo, você pode encontrar um artefato que te dê 200% de Health, ou 600%. A única semelhança no encontro deles é a anomalia. Anomalias são más, e te machucam, portanto cuidado ao procurar por artefatos, muito cuidado.

No geral, tirando somente alguns pequenos erros como você não poder consertar sua arma normalmente ou em lojas (MODs consertam isso), e a “fome” bater raramente, é um excelentíssimo jogo, com replay alto. Recomendado também. Fiquem no aguardo pra próxima: Mass Effect.

Indo dormir porque o sono é grande e não sou o Iron Man.

Amortax.

~ por Amortax em domingo, 03 janeiro, 2010.

Uma resposta to “S.T.A.L.K.E.R. – Shadow of Chernobyl”

  1. ei kra gostei muito do site ou blog🙂

    ja esta no favoritos!!!!!!!!!

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

 
%d blogueiros gostam disto: